Neste mês de dezembro, o Vidas Anônimas lançará seu segundo especial. Desta vez, os personagens da narrativa são as visitantes do presídio masculino Baldomero Cavalcanti, em Maceió. A grande-reportagem é de autoria da repórter Glória Damasceno. “ATADAS: o drama das visitantes do presídio Baldomero Cavalcanti” é fruto do Trabalho de Conclusão de Curso de nossa repórter. Glória buscou, junto à orientadora Andréa Moreira Gonçalves de Albuquerque, compreender quem são as mulheres que vivem presas fora das grades.

A ideia de escrever sobre essas mulheres surgiu como um insight em um dia inusitado. Quando a repórter esteve no presídio, em maio de 2013, para acompanhar uma amiga na entrega da feira semanal do pai. Glória enxergou naquele momento que as “mulheres de preso”, como são taxadas de forma depreciativa, eram invisíveis aos olhos, sobretudo, do Estado.

As “atadas” deste especial são, dentre outras: as mulheres que choram todo dia e tomam remédio controlado; a garotinha de 4 anos que, ironicamente ou não, quer ser policial quando crescer; a mãe que tem plena convicção de que “colocar filho no mundo é não esperar nada de bom”; a irreverente Fernanda Karine [nome fictício, em virtude do acordo de sigilo, como de todas as protagonistas deste trabalho] que conheceu o Lucas trocando mensagens clandestinas de celular; são as cúmplices inconfessas de maridos, amantes, pais ou irmãos; são as mulheres que se submetem a um espelho entre as pernas aos finais de semana, agachando-se 3 vezes, ainda que o espelho seja um objeto proibido; E são as mulheres que se tornaram visíveis aos olhos, principalmente, da consciência e fizeram deste trabalho, a grande reportagem possível.

Glória Damasceno foi a campo em maio deste ano e passou 3 meses sendo ela, também, visita de final de semana. A reportagem de fôlego narra não só quem são essas mulheres, mas também qual é o universo que habitam aos sábados e domingos de cada mês. “ATADAS: o drama das visitantes do presídio Baldomero Cavalcanti” conta o drama de quem vive aprisionada às grades da necessidade, dos sentimentos incompreensíveis e irrefreáveis, dos laços consanguíneos, do gosto pelo perigo, das escolhas possíveis e não feitas.

 

Foto: Renata Baracho

 

Sobre o Especial Atadas, veja também:

O universo das atadas.
Ponto de parada: os bancos gastos do abrigo.
Encarceradas pelas circunstâncias.
Dias de Maria, Juliana, Heliza, Joana.

faixa

Equipe Vidas Anônimas

Envie sugestões, críticas ou simplesmente mande um "olá" para a equipe do Vidas Anônimas. Nosso e-mail é o anonimasvidas@gmail.com.

Últimos textos de Equipe Vidas Anônimas (veja todos)